terça-feira, 25 de junho de 2013

Mineral GRUPO DOS SILICATOS - SUBGRUPO DOS FILOSSILICATOS

Os filossilicatos constituem um grupo de minerais, com grande importância para a geologia, pedologia e para a indústria. São constituintes essenciais de muitas rochas metamórficas, magmáticas, sedimentares e dos solos. Resultam de processos metamórficos, magmáticos, hidrotermais, diageneticos e intempéricos, sendo usada na indústria como carga, matéria-prima para cerâmica, desodorizantes etc.
A palavra filossilicato deriva do grego phylon, que significa folha, uma vez que todos os membros desse grupo possuem hábito achatado ou em escama e clivagem basal perfeita a proeminente e as lamelas de clivagem (placas) são flexíveis elásticas ou plásticas, mais raramente quebradiças. De um modo geral, os filossilicatos exibem dureza baixa, normalmente inferior a 3,5, na escala Mohs, e densidade relativamente baixa em relação a outros silicatos.
As peculiaridades mais marcantes dos filossilicatos representada principalmente pela divisibilidade, dureza e hábito, residem na estruturação desse grupo de minerais, que é bastante numeroso. A estrutura constituída por tetraedros de silício compartilhados, em duas dimensões, formando uma folha, onde três dos quatro oxigênios dos tetraedros SiO4 são compartilhados com os tetraedros vizinhos, levando a uma relação Si:O=2:5, que é denominada de "folha siloxama" ou simplesmente folha tetraédrica (T). Para a constituição dos minerais dessa classe as folhas tetraédricas são unidas a folhas octaédricas, constituídas por brucita [Mg(OH)2] ou gibbsita [Al(OH)3], originando duas famílias ou clãs, denominados respectivamente de trioctaédrica e dioctaédrica.
Dentre os minerais de argila o importante grupo das montmorillonitas ou esmectitas, pode ser derivado da estrutura da pirofilita, mediante a inserção de folhas de água molecular contendo cátions livres, entre as camadas triplas T-O-T da pirofilita. Como as folhas de pirofilita, normalmente estão desprovidas de carga, elas podem expandir-se muito, apresentando capacidades extremas de intumescência pela umidade e grande capacidade de troca catiônica. De maneira idêntica a da esmectita, as vermiculitas derivam do talco pela inserção de água molecular entre as folhas triplas do clã trioctaédrico. Tanto os minerais do grupo da montmorillonita como da vermiculita, por terem a folha T-O-T, ou seja, duas camadas de tetraedros por uma de octaedro, são denominadas de 2 para 1 (2:1).
Dentre os filossilicatos, também existem membros transicionais entre os minerais do grupo da montmorillonita e das micas verdadeiras, devido à substituição fortuita do Si pelo Al, nas posições tetraédricas das folhas de pirofilita, sem agregar carga suficiente nas camadas triplas para produzir uma estrutura ordenada de mica com preenchimento de todas as posições catiônicas possíveis situadas entre as camada. Dessa forma, posições ocasionais de cátions, podem estar ocupadas, originando propriedades intermediárias entre as das argilas e as das micas. Este quadro pode complicar-se pela presença de água molecular, resultando o grupo da illita ou hidromica. Por outro lado, é bastante comum o aparecimento de uma ou mais espécie de argilo-minerais interestratificados, podendo até mesmo aparecer camadas de clorita e serpentina.


MICAS

Biotita 

Foto do Mineral Forma Cristalográfica
 
Cristais  de biotita
Direções ópticas e cristalográficas
Fórmula Química - K2(Mg, Fe2+)6-4(Fe3+,Al, Ti)0-2Si6-5Al2-3O20(OH,F)4
Composição -
 10,86 % K2O, 23,24 % MgO, 11,76 % Al2O3, 8,29 % FeO, 41,58 % SiO2, 3,64 % H2O
Cristalografia -
Monoclínico
        Classe -
Prismática

Propriedades Ópticas -
Biaxial negativo

Hábito -
Micáceo
Clivagem - 
Perfeita em {001}
Dureza -
2,5 - 3
Densidade relativa -
2,7 - 3,5
Brilho -
Micáceo
Cor -
Preto, às vezes marrom-escuro ou verde-escuro

Associação -
 Mineral comum, pode estar associado a fesdspatos e outras micas.
Propriedades Diagnósticas -
Pode ser identificada pela hábito e cor. 
Ocorrência -
É formada por processos magmáticos hidrotermais e metamórficos, onde exibe evidências de mudanças composicionais com a variação da temperatura, pressão e composição litológica, constituindo-se em bom geotermômetro. Normamente é encontrada em rochas sieníticas, granitos, veios pegmatíticos, gnaisses e rochas metamórficas em geral.
Usos - Argamassas para revestimentos arquitetônicos.


Stilpenomelano 


Foto do Mineral Forma Cristalográfica
 
Cristais de stilpenomelano (marrons)
Direções ópticas e cristalográficas
Fórmula Química -
(K,Na,Ca)0-1,4(Fe3+,Fe2+,Mg,Al,Mn)5,9-8,2(Si8O20)(OH)4(O,OH,H2O)3,6-8,5
Composição -  3,22 %  K, 4,80 %  Mg, 4,44 %  Al, 25,72 %  Fe, 23,10 %  Si, 0,58 %  H, 38,16 %  O
Cristalografia -
Monoclínico
        Classe -
Prismática

Propriedades Ópticas -
Biaxial negativo

Hábito -
Micáceo a fibroso
Clivagem - 
Duas direções de clivagem, sendo uma perfeita {001} outra imperfeita {010}
Dureza -
3 - 4

Densidade relativa -
2,59 - 2,96
Cor -
Preto a cinza-escuro

Associação -
 Normamente associada a clorita e outros minerais de baixo grau metamórfico.
Propriedades Diagnósticas -
Pode ser identificada pela cor e clivagem em duas direções.
Ocorrência -
Ocorre em rochas metamórficas de baixo grau.
Usos - Argamassa para revestimento arquitetônico.


 Flogopita



Foto do Mineral Forma Cristalográfica
 
Cristais micáceos de flogopita
Direções ópticas e cristalográficas
Fórmula Química - K(Mg, Fe2+)3Si3AlO10(OH,F)2
Composição -
  11,23 % K2O, 28,84 % MgO, 12,16 % Al2O3, 42,99 % SiO2, 2,15 % H2O, 4,53 % F
Cristalografia -
Pseudohexagonal
        Classe -
Prismática

Propriedades Ópticas -
Pseudobiaxial negativo

Hábito -
Micáceo
Clivagem - 
Perfeita em {001}
Dureza -
2,5 - 3

Densidade relativa -
2,86
Brilho -
Vítreo
Cor -
Marrom-amarelado, vermelho-amarronado, verde

Associação -
 Pode estar associada a minerais carbonáticos e outras micas.

Propriedades Diagnósticas -
Pode ser identificada pelo hábito, cor e solubilidade em ácido sulfúrico.  
Ocorrência -
Rochas alcalinas magnesianas e carbonatitos e no metamorfismo regional ou de contato, onde é um dos produtos de dolomitização dos mármores.
Usos - Mesmas aplicações da muscovita, sendo que atualmente tem surgido uma aplicação nobre em tintas perolizadas.


Fuchsita 


Foto do Mineral Forma Cristalográfica
 
Cristais de fucksita (verdes) em calcita
Direções ópticas e cristalográficas
Fórmula Química - K(Al,Cr)2Si3AlO10(OH,F)2
Composição -
  Silicato de alumínio, cromo e potássio, podendo conter até 5% de Cr2O3
Cristalografia -
Monoclínico
        Classe -
Prismática

Propriedades Ópticas -
Biaxial negativo

Hábito -
Micáceo
Clivagem - 
Perfeita em {001}
Dureza - 2 - 2,5
Densidade relativa - 2,7 - 3,1
Brilho -
Vitreo a sedoso
Brilho -
Sedoso a perláceo
Cor -
Verde-erva a verde-esmeralda

Associação -
 Geralmente associada a minerais de cromo.
Propriedades Diagnósticas -
Pode ser identificada pela sua cor e hábito.
Ocorrência -
Formada por processos pneumatolíticos, hidrotermais e metamórficos ; forma-se também na cristalização magmática de rochas ácidas. Ocorre em rochas como pegmatitos, xistos, gnaisses, entre outras.
Usos - Manufaturas artísticas (argamassas para revestimentos arquitetônicos).


 Lepidolita


Foto do Mineral Forma Cristalográfica
 
Cristal de lepidolita em rocha
Direções ópticas e cristalográficas
Fórmula Química - K2(Li,Al)5-6Si6-7Al2-1O20(OH,F)4
Composição -
  12,13 % K2O, 7,70 % Li2O, 13,13 % Al2O3, 61,89 % SiO2, 2,32 % H2O
Cristalografia - Monoclínico
        Classe -
Prismática

Propriedades Ópticas -
Biaxial negativo

Hábito -
Micáceo
Clivagem - 
Perfeita em {001}
Dureza -
2,5 - 3
Densidade relativa -
2,8 - 3
Brilho -
Perláceo
Cor -
Rosa, violeta, cinza-amarelada, lilás e às vezes incolor

Associação -
 Ocorre geralmente em rochas pegmatíticas, associada a outros minerais ricos em Li.

Propriedades Diagnósticas -
Pode ser identificada pelo seu hábito e associação. 
Ocorrência -
Formada por processos magmáticos a pneumatolíticos, sendo encontrada em pegmatitos litíferos e greisen.
Usos - É uma das principais fonte de Li e empregada também na fabricação do vidro e em cerâmica.


Margarita 

Foto do Mineral Forma Cristalográfica
 
Cristais de margarita (brancos)
Direções ópticas e cristalográficas
Fórmula Química - Ca2 Al4(Si4Al4O20)(OH)4
Composição -
  14,08 % CaO, 51,21 % Al2O3, 30,18 % SiO2, 4.52 % H2O
Cristalografia -
Monoclínico
        Classe -
Prismático

Propriedades Ópticas -
Biaxial negativo

Hábito -
Micáceo
Clivagem - 
Perfeita em {001}
Dureza -
3,5 - 4
Densidade relativa -
2,9 - 3,08
Brilho -
Brilho vítreo a nacarado
Cor -
Rosa-claro, branco-avermelhado, amarelado, violeta-claro ou cinza

Associação -
 Geralmente associada a coríndon.

Propriedades Diagnósticas -
É conhecida como mica frágil devido seu aspécto quebradiço.
Ocorrência -
Produto da alteração hidrotermal do coríndon e de outros minerais aluminosos.
Usos - Bom isolante térmico.


Muscovita 


Foto do Mineral Forma Cristalográfica
 
Cristais micáceos de muscovita
Direções ópticas e cristalográficas
Fórmula Química - KAl2Si3AlO10(OH,F)2
Composição -
  11,82 % K2O, 38,38 % Al2O3, 45,23 % SiO2, 4,29 % H2O
Cristalografia -
Pseudo-hexagonal
        Classe -
Prismática

Propriedades Ópticas -
Biaxial negativo

Hábito -
Micáceo
Clivagem - 
Perfeita em {001}
Dureza -
2 - 2,5
Densidade relativa -
2,76 - 3,1
Brilho -
Vitreo a sedoso
Cor -
Incolor, transparente

Associação -
 Mineral comum, em rochas tais como gnaisses, xistos, granitos, arenitos e pegmatitos, onde forma cristais grandes, atingindo dimensões métricas.

Propriedades Diagnósticas -
Pode ser identificada pelo hábito e cor. 
Ocorrência -
Formada por processos pneumatolíticos, hidrotermais e metamórficos (metamorfismo regional e de contato em condições de temperaturas baixas e altas); forma-se também na cristalização magmática de rochas ácidas, especialmente em fase final, aparecendo nos granitos com duas micas, aplitos e pegmatitos, sendo que nos granitos a maioria dos casos resulta de transformações pós-magmáticas (metamorfismos e hidrotermalismo).
Usos - As variedades exfoliáveis e limpas são principalmente empregadas na construção de aparelhos elétricos, por causa do seu baixo coeficiente de condutibilidade térmica, por resistir a altas temperaturas e choques térmicos, por seu baixo coeficiente de dilatação etc. É usada normalmente em placas, mas seu pó é um bom isolante térmico, e com ele, aglomerado, fabrica-se a mica sintética. Excelente isolante elétrico, sendo usado em condensadores, reostatos, telefones, lâmpadas elétricas e fusíveis. Já se usou também em janelas, como substituto do vidro.


 

 Paragonita


Foto do Mineral Forma Cristalográfica
  bdparagonita.GIF (7717 bytes)
Cristais micáceos de paragonita
Direções ópticas e cristalográficas
Fórmula Química - Na2Al4Si6Al2O20(OH)4
Composição -
  8,11 % Na2O, 40,02 %  Al2O3, 47,16 % SiO2, 4,71 % H2O
Cristalografia -
Monoclínico
        Classe -
Prismática

Propriedades Ópticas -
Biaxial negativo

Hábito -
Micáceo
Clivagem - 
Perfeita em {001}
Dureza -
2,5
Densidade relativa -
2,8
Brilho -
Vítreo
Cor -
Amarelo ou esverdeado.

Associação -
 Normalmente associada a biotita

Propriedades Diagnósticas -
Pode ser identificada pelo hábito e cor. 
Ocorrência -
Mineral metamórfico.
Usos - Pode ser usada como argamassa para revestimento.


 

 Pirofilita 
Foto do Mineral Forma Cristalográfica
 
Cristais radiais de pirofilita
Direções ópticas e cristalográficas
Fórmula Química - (Si4O10)Al2(OH)2
Composição -
  Silicato de alumínio hidratado. 28,3% Al2O3 - 66,7% SiO2 - 5,0% H2O
Cristalografia -
Monoclínico
        Classe -
Prismática

Propriedades Ópticas -
Biaxial negativo

Hábito -
Prismático
Clivagem -
Basal perfeita {001}
Dureza -
1 - 2

Densidade relativa -
2,8 - 2,9
Brilho -
Perláceo
Cor -
Branco, verde, cinza ou pardo

Associação -
 Normamente associada a minerais aluminosos.
Propriedades Diagnósticas -
Na presença de calor ocorre esfoliação. 
Ocorrência -
Metamorfimo de baixo grau sobre sedimentos aluminosos e processos hidrotermais.
Usos - É o principal constituínte do agalmatolito (também conhecido como pagodita, pedra-sabão ou pedra-estuária), é usada como inerte para veículo de inseticidas e carga de vários produtos; quando compactada, cripstocristalina, é usada na confecção de bases para aparelhos elétricos e para estatuetas ou tornear objetos de uso domésticos, e usada na indústria de cerâmica, porcelana elétrica, refratários, papel tintas, asfalto etc.


CLORITA

Clorita 

Foto do Mineral Forma Cristalográfica
  clorita.jpg (25545 bytes)
Secão dealgada mostrando
cristais de clorita em rocha
Direções ópticas e cristalográficas
Fórmula Química - (Mg,Al,Fe)12(Si, Al)8O20(OH)16
Composição -
  Grupo de minerais, com diversos representantes, tais como turingita –(Fe2+,Fe3+,Al,Mg)6(Al,Si)4O10(OH)8, chamoisita - (Mg,Fe)3Fe3+3(Al,Si3)O10(OH)8, delessita - (Mg,Fe,Fe3+Al)6(Al,Si)4O10(OH)8, pseudoturingita, sheridanita - (Mg,Al)6(Al,Si)4O10(OH)8, ripidolita -(Mg,Fe)9Al6Si5O20(OH)16, pennantita - (Mn,Al)6(Al,Si)4O10(OH)8, corundofilita - (Mg,Fe)3(Al,Fe)3(Al,Si)4O10(OH)8, dafnita -(Mg,Fe)3(Fe,Al)3(Al,Si)4O10(OH)8, clinocloro - (Mg,Fe2+,Al)6(Al,Si)4O10(OH)8, picnoclorita – (Fe,Mn,Ca,Mg)O. (Al,Fe)2O3.SiO2, brunsvigita , peninita - (Mg,Fe2+,Al)6(Al,Si)4O10(OH)8, diabantita - (Mg,Fe,Al)6(Al,Si)4O10(OH)8, talco-clorita, amesita -(Mg,Fe)4Al4Si2O10(OH)8, grinalita – (Fe2+,Fe3+)5-6Si4O10(OH)8, cronstedtita – Fe8Si2O10(OH)8, kemmererita - (Mg,Fe)5(Al,O2)AlSi3O10(OH)8 e proclorita (Mg,Fe,Al)(Si2,5Al1,5)O10(OH)8
Cristalografia -
Monoclínico
        Classe -
Prismática

Propriedades Ópticas -
Biaxial negativo ou positivo

Hábito -
Micáceo
Clivagem - 
Perfeita em {001}
Dureza -
1,5 - 2,5
Densidade relativa -
2,6 - 3
Brilho - Vítreo a nacarado
Cor -
Verde

Associação -
 Pode estar associada a olivina, piroxênio e anfibólios.

Propriedades Diagnósticas -
Pode ser identificada pelo hábito e cor e brilho. 
Ocorrência -
Gerada por processos secundários, hidrotermais ou metamórficos.
Usos - Pode ser usada na fabricação de papel


 

 Penininita

Foto do Mineral Forma Cristalográfica
  bdpennina.gif (7260 bytes)
Cristais de penninita em rocha
Direções ópticas e cristalográficas
Fórmula Química - (Mg,Fe2+,Al)6(Si,Al)4O10(OH)8
Composição -
  25,39 % MgO, 17,13 % Al2O3, 15,09 % FeO, 30,28 % SiO2, 12,11 % H2O
Cristalografia -
Monoclínico
        Classe -
Prismática

Propriedades Ópticas -
Biaxial negativo ou positivo

Hábito -
Micáceo
Clivagem - 
Perfeita em {001}
Dureza -
2 - 2,5
Densidade relativa -
2,6 - 3
Brilho -
Vítreo a nacarado
Cor -
Branco, rosado ou violeta

Associação -
 Normalmente associada a biotita, sericita e talco.
Propriedades Diagnósticas -
Identifica-se pela propriedade ópticas, como baixo 2V e baixa birrefringência.
Ocorrência -
Mineral de origem metamórfica.
Usos - Pode ser usada na fabricação de papel.


 Prehnita


Foto do Mineral Forma Cristalográfica
 
Cristais de prehnita
Direções ópticas e cristalográficas
Fórmula Química - (Si3O10)Ca2Al2(OH)2
Composição - 
28,37 % CaO, 25,79 % Al2O3, 45,59 % SiO2, 2,28 % H2O
Cristalografia -
Ortorrômbico
        Classe -
Prismática

Propriedades Ópticas -
Biaxial positivo

Hábito -
Agregados cristalinos de estrutura botrioidal, mamelonar ou radiada
Clivagem -
Basal perfeita
Dureza -
6 - 6,5
Densidade relativa -
2,8 - 2,9
Brilho - Vítreo
Cor -
Verde claro, marrom amarelado ou branco

Associação -
  Normamente associado a epidoto, albita, adulária, carbonatito e diopsídio em rochas calcio-silicáticas.

Propriedades Diagnósticas -
 Identifica-se pela cor e a forma dos agregados cristalinos.
Ocorrência -
Produto de alteração hidrotermal.
Usos - Gema
 

Talco 

Foto do Mineral Forma Cristalográfica
 
Cristais de talco
Direções ópticas e cristalográficas
Fórmula Química - Mg6(Si8O20)(OH)4
Composição -
  Silicato de magnésio
Cristalografia -
Pseudo-hexagonal
        Classe -
Prismática

Propriedades Ópticas -
Biaxial negativo

Hábito -
Micáceo
Clivagem - 
Perfeita em (001)
Dureza -
1
Densidade relativa -
2,7 - 2,8
Brilho -
Perláceo
Cor -
Verde pálido, amarelo ou cinza-esverdeado

Associação -
Geralmente associada a biotita, clorita, serpentina e carbonatos.
Propriedades Diagnósticas -
Pode ser identificada pela sua baixa dureza, e sedosidade. 
Ocorrência -
Gerada em processos de alteração hidrotermal de minerais magnesianos, especialmente olivina e ortopiroxênio e metamorfismo regional ou de contato sobre calcários magnesianos ou rochas ultrabásicas.
Usos - Indústria de papel, sabões e cerâmica, moldes refratários, bicos de lâmpadas de acetileno, isoladores de alta tensão, aparelhos de calefação elétrica, cargas para artigos de borracha, inerte para veículos de inseticidas, polimento de arroz, branqueador para algodão, velas para automóveis, produtos medicinais etc.



Zinwaldita


Foto do Mineral Forma Cristalográfica
 
Cristais micáceos de zinwaldita
Direções ópticas e cristalográficas
Fórmula Química - K2(Fe+22,Li2Al2)(Si6Al2O20)(F,OH)4
Composição -
  10,78 % K2O, 3,42 % Li2O, 23,33 % Al2O3, 16,44 % FeO, 41,24 % SiO2, 1,03 % H2O
Cristalografia -
Monoclínico
        Classe -
Prismática

Propriedades Ópticas -
Biaxial negativo

Hábito -
Micáceo
Clivagem - 
Perfeita em (001)
Dureza -
3,5 - 4

Densidade relativa -
2,9 - 3,02
Cor -
Marrom esverdeado, amarelo ou  violeta pálido

Associação -
 Mineral típico de greisen.
Propriedades Diagnósticas -
A zinwaldita é muito semelhante à biotita, mas pode ser identificada pela sua cor e associação mineralógica.
Ocorrência -
Mineral hidrotermal ou pneumatolítico, encontrado em albititos, pegmatitos litíferos e greisen.
Usos - Minério de lítio.


 
 SERPENTINAS

Antigorita

Foto do Mineral Forma Cristalográfica
  bdantigorita.gif (5012 bytes)
Cristais colunares de antigorita
Direções ópticas e cristalográficas
Fórmula Química - (Mg,Fe)3(Si2O5)(OH)4
Composição -
  30,15 % MgO, 17,92 % FeO, 39,95 % SiO2, 11,98 % H2O
Cristalografia -
Pseudo-ortorrômbio
        Classe -
Prismática

Propriedades Ópticas -
Biaxial negativo

Hábito -
Minúsculas folhas irregular.
Clivagem - 
Perfeita em {001}
Dureza -
3,5 - 4
Densidade relativa -
2,5 - 2,6
Fratura -
Conchoidal (no agregado)
Brilho -
Sedoso ou graxo
Cor -
Verde, amarelo-esverdeado ou cinza-esverdeado

Associação -
 Pode estar associada a olivina, piroxênio e anfibólios.

Propriedades Diagnósticas -
Pode ser identificada pelo hábito, cor e associação. 
Ocorrência -
Gerada por processos secundários, hidrotermais ou metamórficos.
Usos - Quando translúcidas pode ser usada para objetos ornamentais, substituindo inclusive o jade, sendo usada também para revestimentos, material refratário, cerâmica, fundente e fabricação de compostos de magnésio.


Crisotilo 

Foto do Mineral Forma Cristalográfica
 
Fibras de crisotilo em rocha
Direções ópticas e cristalográficas
Fórmula Química - Mg3(Si2O5)(OH)4
Composição -
  Silicato magnésio hidratado. 43% MgO - 44,1% SiO2 - 12,9% H2O
Cristalografia -
Monoclínico
        Classe -
Prismático

Propriedades Ópticas -
Biaxial negativo ou positivo de 2V pequeno

Hábito -
Acicular
Dureza - 2,5
Densidade relativa -
2,55
Brilho -
Sedoso ou graxo
Cor -
Verde, amarelo-esverdeado ou cinza-esverdeado

Associação -
 Pode estar associada a olivina, piroxênio e anfibólios.

Propriedades Diagnósticas -
Pode ser identificada pelo hábito e cor. 
Ocorrência -
Gerada por processos secundários, hidrotermais ou metamórficos.
Usos - A crisotila constitui o mais apreciado tipo de amianto, cujas fibras são empregadas na produção de tecidos incombustíveis e isolantes, preparo de materiais para isolamento elétrico, fabricação de grande número de peças, como gachetas, discos de embreagens, lonas para freios, etc., adicionando a outras substâncias. A maior quantidade, é empregada na fabricação de materiais de cimento-amianto. Como material maciço, onde predomina antigorita, é usada na confecção de objetos de adorno, como vasos e cinzeiros, em formas de placas, à semelhança do mármore, ou usada como fundente na siderurgia.


Lizardita 


Foto do Mineral Forma Cristalográfica
  bdlizardita.gif (4898 bytes)
Criptocristais de lizardita (amarelo)
Direções ópticas e cristalográficas
Fórmula Química - (Mg,Fe)3(Si2O5)(OH)4
Composição -
  43,63 % MgO, 43,36 % SiO2, 13,00 % H2O
Cristalografia -
Pseudo ortorrômbio
        Classe -
Prismática

Propriedades Ópticas -
Pseudo-uniaxial, sinal indefinido

Hábito -
Prismático micáceo
Clivagem - 
Perfeita em {001}
Dureza -
2,5
Densidade relativa -
2,5 - 2,6
Fratura -
Conchoidal no agregado
Brilho -
Sedoso ou graxo
Cor -
Verde, amarelo-esverdeado ou cinza-esverdeado

Associação -
 Pode estar associada a olivina, piroxênios e anfibólios.

Propriedades Diagnósticas -
Pode ser identificada pelo hábito e cor. 
Ocorrência -
Gerada por processos secundários, hidrotermais ou metamórficos.
Usos - Quando translúcidas pode ser usada para objetos ornamentais, substituindo inclusive o jade, sendo usado também para revestimentos, material refratário, cerâmica, fundente e fabricação de compostos de magnésio.



 ARGILAS

Alofano 


Fórmula Química - Al2O5SiO2.nH2O

Composição -
  45,29 % Al2O3, 34,70 % SiO2, 20,01 % H2O

Cristalografia - Amorfo
   
Propriedades Ópticas - Isotrópico de baixo índice de refração

Hábito -
Mamilolar, estactítico, pulverulento
Foto do Mineral
Cristais globulares de alofano
Clivagem - Ausente
Dureza -
2 - 3
Densidade relativa -
1,9
Fratura -
Conchioídal (na massa amorfa ou críptocristalina)
Brilho -
Lustroso, vítreo a subresinoso
Cor -
Azul, verde, amarelo a incolor

Associação -
Associado a hidróxidos de ferro e minerais de argila.
Propriedades Diagnósticas -
Hábito, cor, gelatiniza-se em HCl, associação mineral e ausência de estrutura cristalina. 
Ocorrência -
Presente em veios ou cavidades de depósitos minerais de ferro ou zinco, formado pela alteração de silicatos de alumínio..
Usos -
Não apresenta.

 Apofilita


Foto do Mineral Forma Cristalográfica
 
Cristal de apofilita
Direções ópticas e cristalográficas
Fórmula Química - Ca4K(Si2O5)F2.8H2O
Composição -
  5,19 % K2O, 24,73 % CaO, 52,98 % SiO2, 15,89 % H2O
Cristalografia - Tetragonal
        Classe -
Ditetragonal

Propriedades Ópticas -
Uniaxial positivo

Hábito -
Granular ou prismático
Clivagem -  Basal perfeita em (001)
Dureza -
4,5 - 5
Densidade relativa -
2,33 - 2,37
Brilho -
Vítreo a nacarado
Cor -
Branco, rosa, amarelo ou verde

Associação -
Pode estar associada com zeólitas e calcita.

Propriedades Diagnósticas -
Pode ser identificada pela cor, brilho e clivagem.
Ocorrência -
Final da cristalização magmática e hidrotermalismo sendo encontrada em cavidades de rochas magmáticas.
Usos - Fonte, com pouca importância,  de potássio


 Caulinita


Foto do Mineral Forma Cristalográfica
 
Cristais de caulinita com brilho terroso
Direções ópticas e cristalográficas
Fórmula Química - Al2Si2O5(OH)4
Composição -
  Silicato de alumíniohidratado, com 39,5% Al2O3 - 46,5% SiO2 - 14,0% H2O. O grupo da caulinita também é conhecido como grupo dos canditos e é constituído por: caulinita, dickita, anauxita-Al2Si3O7(OH)4, nacrita, halloysita-Al2Si2O5(OH)4.2H2O, meta-halloysita
Cristalografia - Pseudo hexagonal
        Classe -
Prismática

Propriedades Ópticas -
Biaxial negativo

Hábito -
Micáceo
Clivagem - 
Perfeita em {001}
Dureza -
2 - 2,5
Densidade relativa -
2,6 - 2,63
Brilho -
Terroso
Cor -
Geralmente branco, variando conforme grau de impureza

Associação -
Geralmente associada a minerais aluminosos, solos e produtos de alteração.
Propriedades Diagnósticas -
Pode ser reconhecida através de ensaios químicos. 
Ocorrência -
Alteração de feldspatos, feldspatóides e outros silicatos, durante o intemperismo químico e também hidrotermal. Pode formar-se também por processos diagenéticos em bacias sedimentares. Portanto pode ser formado às expensas de muitos minerais e rochas e em quantidades consideráveis.
Usos - É matéria prima-básica da indústria cerâmica, para a fabricação da porcelana, louça sanitária etc., em mistura com outros produtos minerais; é também empregada na preparação de pigmentos à base de anilina,  veículo inerte para inseticidas, abrasivos suaves, endurecedor na indústria têxtil, carga na fabricação de papel, carga e revestimento de linóleos e oleados, em sabões e pós dentifrícios, carga para gesso para parede, constituinte do cimento Portland branco, em tintas, e outros. Em medicina, como absorvente de toxinas do aparelho digestivo e como base para muitos desinfetantes. Na fabricação de borracha de alta qualidade, empregada a confecção de luvas para fins médicos e de revestimentos de fusíveis. Em cosméticos e certos plásticos. Substâncias inertes, como barita e talco, podem ser substituídas pelo caulim, em muitos casos. No futuro poderá ser empregado, em escala comercial, como fonte de alumina, na produção de alumínio metálico.


Halloysita 




Fórmula Química - Al2Si2O5(OH)4.2H2O

Composição -
 39,50 % Al2O3, 46, 55 % SiO2, 13,96 % H2O

Cristalografia - Monoclínico
        Classe - Prismática

Propriedades Ópticas - Biaxial negativo

Hábito -
Maciço, terroso
Foto do Mineral
Agregado de halloysita
Clivagem - Ausente
Dureza -
2

Densidade relativa -
2 - 2,6
Fratura -
Conchoidal (no agregado)
Brilho -
Perláceo, graxo
Cor -
Branco, verde , amarelo, azul, cinza

Associação -
Associada a minerais de alumínio.
Propriedades Diagnósticas -
Hábito, brilho, cor, testes químicos. 
Ocorrência -
Ocorre em veios ou camadas, pela decomposição de minerais aluminosos. Presente em granitos e outras rochas.

 Montmorillonita

 
Foto do Mineral Forma Cristalográfica
 
Agregado de cristais de montmorillonita (cinzas)
Direções ópticas e cristalográficas
Fórmula Química - (Mg, Ca)O.Al2O3Si5O10.nH2O
Composição -
 Silicato de alumínio, magnésio e cálcio hidratado
Cristalografia - Monoclínico
        Classe - Prismática

Propriedades Ópticas - Biaxial negativo

Hábito -
Massas micro e criptocristalino.
Clivagem - 
Perfeita {001}
Dureza -
1 - 2

Densidade relativa - 2 -
2,7
Fratura -
Conchoidal (no agregado)
Brilho -
Lustroso (no agregado)
Cor -
Branco, cinza, rosa, azul

Associação -
 Associada a zeólitas, quartzo e outros minerais de argila.

Propriedades Diagnósticas - Associação mineral, hábito, cor, propriedades ópticas e mecânicas.
Ocorrência -
Produto de alteração de rochas ígneas efusivas, metamórficas e sedimentares em ambiente mal drenado.
Usos - Desodorante, descolante, inseticida, etc.


 Nontronita

Fórmula Química - Fe23+,Al,Mg,Fe)2(AlSi)4O10(OH)2.nH2O

Composição -
 1,87 % Na2O,  10,28 % Al2O3, 32,20 % Fe2O3, 36,35 % SiO2, 18,16 % H2O

Cristalografia - Monoclínico
        Classe - Prismática

Propriedades Ópticas - Biaxial negativo

Hábito -
Maciço, compacto, terroso
Foto do Mineral
Agregado de cristais terrosos de nontronita
Clivagem - Perfeita {001}
Dureza -
1,5 -   2
Densidade relativa -
2,3
Fratura -
Conchoidal (no agregado)
Brilho - Ceroso
(no agregado)
Cor -
Verde a amarelo

Associação -
Associada a opala e quartzo.
Propriedades Diagnósticas -
Brilho, hábito, cor, associação mineral. 
Ocorrência -
Presente em veios, formada pela alteração de vidros vulcânicos e rochas magmáticas básicas -intermediárias.
Usos - Não apresenta.


 Saponita


 
Fórmula Química - (MgFe)3(Si,Al)4O10(OH)2.4H2O

Composição -
 0,65 % Na2O, 1,17 % CaO, 18,89 % MgO, 10,62 % Al2O3, 11,22 % FeO, 37,54 % SiO2, 18,76 % H2O

Cristalografia - Monoclínico
        Classe - Prismática

Propriedades Ópticas - Biaxial negativo

Hábito -
Maciço, nodular
Foto do Mineral
Cristais de saponita em cavidade
Clivagem - Perfeita {001}
Dureza -
1 - 2
Densidade relativa -
2,2 - 2,3
Brilho -
Lustroso, graxo
Cor -
Branco, amarelo, cinza, azul, vermelho.

Associação -
Associada a calcita, zeólitas e outros.
Propriedades Diagnósticas -
Decompõe-se em HCl, hábito, cor, associação mineral
Ocorrência -
Presente em cavidades de rochas basalticas, pela alteração de minerais de magnésio.

Sepiolita 



Fórmula Química -
Mg4(Si2O5)3(OH)26H2O
Composição -
  Silicato de magnésio hidratado. 27,1% Mg - 60,8% SiO2 - 12,1% H2O
Cristalografia -
Incerto, provavelmente monoclínico
        Classe -
Incerto

Propriedades Ópticas -
Biaxial, sinal óptico variável

Hábito -
Compacto, globular ou fibroso
Foto do Mineral
Cristais globulares de sepiolita
Dureza - 2 - 2,5
Densidade relativa -
2
Cor -
Branco, cinza-claro ou amarelo-claro

Associação -
 Pode estar associada a calcita ou serpentina.
Propriedades Diagnósticas -
Também chamado de espuma do mar, pode ser identificada pela sua baixa densidade e hábito.
Ocorrência -
Ocorre em veios e em aluviões.
Usos - Usado em caximbo, objetos ornamentais e cerâmica.



Vermiculita 

Foto do Mineral Forma Cristalográfica
 
Cristais de vermiculita
Direções ópticas e cristalográficas
Fórmula Química - (Mg,Ca)0.7(Mg,Fe,Al)6.0[(Al,Si)8O20)](OH)4.8H2O
Composição -
 14,39 % MgO, 43,48 % Al2O3, 12,82 % FeO, 11,92 % SiO2, 17,87 % H2O
Cristalografia - Monoclínico
        Classe - Prismática

Propriedades Ópticas - Biaxial negativo

Hábito -
Micáceo
Clivagem - 
Perfeita {001}
Dureza -
1,5 - 2
Densidade relativa -
2 - 3
Fratura -
Ausente
Brilho -
Sedosos a perláceo
Cor -
Branco, amarelo, marrom

Associação -
Associado a coríndon, apatita, biotita, flogopita, clorita, etc.
Propriedades Diagnósticas -
Hábito, apresenta exfoliação, brilho, cor, absorve líquidos organicos. 
Ocorrência -
Ocorre em contato de rochas intrusivas ácidas, básicas e ultrabásicas. Formado pela alteração de biotita, flogopita e clorita.
Usos - Utilizado para absorção de líquidos, isolante acústico, térmico, embalagens na agricultura etc.