quarta-feira, 4 de setembro de 2013

PERFIL TOPOGRÁFICO


Perfil Topográfico
                        Consiste na representação cartográfica de uma seção vertical da superfície terrestre. Primeiramente, é necessário saber as altitudes de certo número de pontos e a distância entre os mesmos. (GRANELL-PÉREZ, 2004)
                        É uma silhueta do terreno obtida por técnicas cartesianas de representação gráfica. Resulta da intersecção de um plano vertical com um plano horizontal, que contém curvas de nível representativas do relevo. Rebate-se então sobre o plano vertical as altitudes de cada intersecção. (VENTURI, 2005)






Perfil Topográfico

Perfil longitudinal abrangendo desde as nascentes do rio South Platte, no Colorado Central até a foz do rio Platte, no Missouri, no Nebraska.

Perfil Topográfico - Elaboração
Os Perfis Topográficos são construídos a partir das curvas de nível
1)Estender uma tira reta de papel ao longo da linha escolhida no mapa;
2)Marcar os sinais: todas as interseções das curvas de nível com a linha básica: pontos de altitude (cotas), rios, picos, cidades, estradas, etc.;
3)Traçar a linha básica do perfil num papel milimetrado e transferir os sinais para a mesma;
4)Levantar perpendiculares no começo e no fim dessa linha e determinar uma escala vertical (para escolher uma escala, deve-se considerar a altitude média do perfil e a natureza da região). Ex.: 10m para cada linha horizontal do papel milimetrado, ou seja, 10m = 1mm.
5)Numerar a escala vertical de acordo com intervalos apropriados.

EXAGERO VERTICAL: A menos que a escala horizontal seja grande, e a média das altitudes considerável, a escala vertical deverá, via de regra, ser muito maior do que a horizontal, do contrário as ondulações, ao longo do perfil dificilmente serão perceptíveis. Em contrapartida, uma escala vertical muito grande redundará num efeito exagerado (deformado) da superfície do terreno.

6)Seguindo-se as linhas verticais do milimetrado ou levantando-se perpendiculares dos sinais da linha-base, marcar a posição de cada ponto, de acordo com a escala vertical, com uma cruz precisa. A seguir, todos os pontos serão unidos com uma linha suave, evitando-se traços retos.

Obs.: os detalhes serão melhor interpretados com base em outras indicações do relevo (cotas próximas a linha do perfil, a posição dos cursos d´água, etc.)
Cuidados:
1)Partir da altitude exata em qualquer extremidade;
2)Distinguir entre descidas e subidas, quando existem duas curvas sucessivas de igual valor;
3)Desenhar precisamente os contornos dos picos (se pontiagudos, se achatados)
4)Copiar em papel vegetal, evitando-se o quadriculado inútil, pois as únicas linhas que devem aparecer são as horizontais, que se referem à escala vertical
EXAGERO VERTICAL
É a relação entre as escalas horizontal e vertical.
Exagero = Escala Vertical/Escala horizontal
Exemplo:
Se a escala horizontal é 1:50.000 e a vertical é 1:10.000, o exagero é igual a 5 vezes.
EXAGERO = (1/10.000)/(1/50.000) = 50.000/10.000 = 5
Se usamos a mesma escala nos dois eixos, obtemos perfis que são quase linhas retas horizontais. Neles, é difícil perceber as variações de altitude e as formas do relevo. Por isso Se usa a Escala Vertical maior que a Horizontal: dividindo-se as distâncias verticais (desníveis) um menor número de vezes, ressalta-se as variações de altitudes.
Desnível Máximo do Terreno (m)
Altura dos Segmentos da Escala (cm)
Escala Vertical de Altitudes
Exagero Vertical (vezes)
100
1
1: 10.000
5
200
1
1: 20.000
2,5
500
2
1: 25.000
2
1.000
4
1: 25.000
2
2.000
5
1: 40.000
1,25

Bloco-Diagrama
É uma representação cartográfica de fácil visualização, à medida em que apresenta a superfície terrestre sob a forma de perspectiva. Como demonstra uma parte da crosta terrestre, tem a vantagem de poder representar a parte estrutural da crosta correspondente deste bloco (Oliveira, 1988)
                        É uma representação de parte da crosta terrestre, podendo-se observar ao mesmo tempo a topografia e as camadas geológicas (Venturi, 2005)