quarta-feira, 5 de junho de 2013

Fóssil de preguiça gigante da ‘Era do Gelo’ é encontrado no interior do Piauí



Fóssil de preguiça gigante da ‘Era do Gelo’ é encontrado no interior do Piauí

Paleontólogo diz que fóssil é incomum e pertece a animal de 5 metros.
Fóssil foi encontrado na cidade de Corrente, no extremo Sul do Piauí.



Pesquisadores encontraram um fóssil de uma preguiça gigante na cidade de Corrente, localizada no extremo Sul do Piauí, a 874 km de Teresina. De acordo com o paleontólogo e professor da Universidade Federal do Piauí (UFPI), Juan Carlos Cisneros, o fóssil encontrado é incomum e pertence a um animal que media aproximadamente 5 metros e que viveu no período popularmente conhecido como a ‘Era de Gelo’.
Fóssil pertence a uma preguiça gigante que media aproximadamente 5 metros (Foto: Juan Cisneros)Fóssil pertence a uma preguiça gigante que media aproximadamente 5 metros (Foto: Juan Cisneros)
Segundo o paleontólogo, o fóssil é de um animal que provavelmente pertence ao gênero Eremotherium. “A descoberta desse fóssil é inusual. A maioria de fósseis de animais que viveram no Brasil durante o Quaternário é encontrada no fundo de lagoas ou cacimbas, e no interior de grutas. O novo achado não se enquadra nessas categorias, ele foi encontrado na margem de um grotão, o que chama muito a atenção”, destacou.
Juan diz que a descoberta do fóssil vai ajudar a compreender melhor como era o ambiente do Nordeste no passado, no período da ‘Era de Gelo’. “Cada fóssil que é descoberto ajuda a reconstruir a história do nosso planeta”, completou.

As informações sobre o fóssil chegaram até o Prof. Dr. Paulo Auriccio dois anos atrás. Juan explica que na época o docente trabalhava na cidade de Bom Jesus, também na região Sul do estado e durante um congresso ouviu falar de uma pessoa que tinha encontrado um osso de grande porte em Corrente.
Pesquisador afirma que na região podem ser encontradas outras espécies de fósseis (Foto: Juan Cisneros)Pesquisador afirma que na região podem ser encontradas outras espécies de fósseis (Foto: Juan Cisneros)
“Ele decidiu investigar e entrou em contato com a pessoa que realizou esse achado. O fóssil era conhecido por alguns trabalhadores da região, pois no local do achado era realizada a extração de argila para a fabricação de telhas (agora desativada), no fundo desta argila jaziam os ossos da preguiça gigante. Ele foi até o local e constatou a ocorrência de fósseis”, contou.

Após a fase de limpeza e conservação dos fósseis no laboratório de Paleontologia da UFPI, que deve durar vários meses, serão apresentados resultados em congressos e em revistas técnicas. “Planejamos também exibir os fósseis no Museu de Arqueologia e Paleontologia da UFPI”, disse o professor.

A expedição na cidade de Corrente teve início na semana passada e contou com estudantes do curso de Arqueologia da Universidade Federal do Piauí e da Universidade Federal de Pernambuco. Ainda de acordo com o pesquisador, há possibilidades de mais espécies de fósseis na região e a equipe planeja outras expedições.