sexta-feira, 12 de julho de 2013

NOMENCLATURA DAS ROCHAS METAMÓRFICAS


NOMENCLATURA
expbul1a.gif (699 bytes) Nas rochas metamórficas o critério de nomenclatura é essencialmente petrográfico, considerando-se a mineralogia combinada com textura e estrutura. Assim nomes para as rochas metamórficas mais comuns, como ardósia, filito, gnaisse, granulito, quartzito, etc. devem ser complementados com informações que revelem o real aspecto da rocha, já que a variedade é bastante grande e a nomenclatura complexa.
As informações mineralógicas fornecem dados importantes sobre o grau metamórfico da rocha, revelando as condições de metamorfismo e a fácies. Via de regra, lista-se primeiramente os minerais menos abundantes (mais que 5%) antes do nome raiz, por exemplo: grafita-mucovita-biotita xisto. Neste caso significa que a rocha é composta essencialmente por biotita, seguido de muscovita e grafita.
As texturas também podem entrar na nomenclatura da rocha, dependendo da riqueza da descrição do autor, por exemplo muscovita xisto porfiroblástico com granada (fotomicrografia ao lado), significa que cristais maiores de granada se destacam em uma matriz rica em muscovita em rocha xisto.
Muscovita-biotita xisto porfiroblástico com granada, nicóis paralelos, aumento 40 x