terça-feira, 9 de julho de 2013

Ministério do Ambiente empenhado na criação de áreas de conservação marinha




Angop
Director nacional da biodiversidade, Joaquim Manuel
Director nacional da biodiversidade, Joaquim Manuel

Luanda - O Ministério do Ambiente continua empenhado no sentido de estabelecer áreas de conservação marinha, para protecção efectiva de espécies como a baleia e tartaruga, afirmou, nesta terça-feira, em Luanda, o director nacional da Biodiversidade, da instituição, Joaquim Manuel.
 
Em declarações à Angop, a propósito do tema “Poluição dos mares, causas e consequências”, o responsável recordou que o país é subscritor da “Convenção sobre a Biodiversidade”, cujo acordo internacional estabelece várias medidas de protecção, fundamentalmente, das espécies marinhas.
 
Segundo o responsável, a estratégia nacional do sector e seu Plano de Acção para Conservação da Biodiversidade prevê a protecção das espécies marinhas como a baleia e tartarugas.
 
Com relação ao número elevado de focas nos mares do país, o especialista disse que, actualmente, esse mamífero marinho é considerado como uma praga, devido ao seu consumo excessivo de peixe.
 
“As acções das focas estão a provocar uma diminuição das reservas piscatórias do país”, frisou.