quinta-feira, 4 de julho de 2013

Como a geologia influencia na indústria petrolífera

Segundo o geólogo José Alexandre Perinotto, professor do Instituto de Geociências e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista (Unesp), a geologia está na base da exploração de todos os recursos minerais e energéticos baseados em combustíveis fósseis, incluindo petróleo, carvão e urânio. Em relação ao petróleo, nosso entrevistado, que é doutor em Análise de Bacias Sedimentares pela Unesp, lembra que de nada adiantaria a uma empresa provida da mais sofisticada tecnologia exploratória de sondagem de poços de petróleo se a geologia, por meio de técnicas de prospecção direta e indireta, não indicasse onde a sonda deveria perfurar. Basta imaginar a imensidão do mar, onde atualmente se encontram as maiores reservas petrolíferas do país. Nesse caso, quais pontos devem ser explorados? A geologia exploratória tem as respostas.

Quais funções o geólogo assume nos trabalhos de exploração de petróleo?

- O papel do geólogo em uma empresa de exploração de petróleo é de fundamental importância. Esse profissional atua em várias fases do trabalho de exploração, desde o reconhecimento geológico regional, que envolve mapeamento geológico em várias escalas, às análises geofísicas, geoquímicas, paleontológicas, petrográficas, sedimentológicas e estruturais, todas em escalas macro e microscópicas (em alguns casos, com a realização de análises laboratoriais de altíssima sofisticação e especialização). Após a indicação do local onde o poço deve ser perfurado, durante a fase de perfuração, é o geólogo quem acompanha todo o processo até a finalização do poço. Nessa fase, ele descreve as amostras de rochas que estão sendo atravessadas pela sondagem, coleta essas amostras para diversas análises em laboratório, estando sempre atento ao surgimento súbito e descontrolado de gás e óleo.
Enquanto a perfuração do poço está sendo acompanhada por um geólogo no campo (sondagem em terra), ou em uma plataforma (sondagem em mar), outra equipe de geólogos realiza uma série de outras atividades, como, por exemplo, o desenvolvimento de um novo campo petrolífero, ou o refinamento de um campo já em operação para melhorar a sua produção. O geólogo é um intérprete que faz uso de uma série de técnicas próprias da geologia para compreender a evolução do nosso planeta e o acúmulo de bens minerais ao longo da história da Terra, incluindo o petróleo.
Um bom geólogo exploracionista deve estar sempre se atualizando em novas tecnologias e disposto a aprender constantemente de forma a minimizar os riscos inerentes de uma exploração, cujo bem procurado encontra-se muitas vezes a quilômetros e quilômetros abaixo da superfície. Assim é que todas as empresas petrolíferas estão constantemente aprimorando seus técnicos por meio de novos cursos especializados.

No Brasil, como a geologia vem sendo empregada para a extração de petróleo?

- No Brasil, como em qualquer outra parte do mundo em que há prospecção e extração de petróleo, a geologia é empregada no início de todo o processo e durante boa parte de sua execução. Antes da Petrobras, o antigo Conselho Nacional do Petróleo e a própria Petrobras em seu início trouxeram grandes nomes da geologia internacional para o desenvolvimento da exploração do petróleo brasileiro e também para treinar nossos técnicos. Havia grande demanda pelo profissional geólogo e houve uma campanha nacional para a formação desse profissional nas universidades.
Os profissionais em geologia passaram por grandes desafios desde a criação da Petrobras, em 1953. Porém, todos esses desafios foram e vêm sendo superados com muito sucesso, tanto é que atingimos a posição que hoje ocupamos no ranking dos países com as maiores reservas de petróleo do mundo. A geologia é empregada para reconhecer áreas com maiores probabilidades de conter rochas reservatório para os hidrocarbonetos (gás ou óleo).
Uma área da geologia, a Geofísica, vem ocupando lugar de destaque crescente nesse processo prospectivo, empregando técnicas de sísmica de reflexão de alta resolução, com imageamento sísmico em 3D, atingindo diferentes camadas a muitos quilômetros de profundidade, permitindo ao analista literalmente "ver" em subsuperfície como se fosse uma espécie de ultrassom que realizamos em nossos exames médicos. Análises laboratoriais diversas, envolvendo a Geoquímica, a Petrografia, a Petrofísica, a Sedimentologia e a Análise Estrutural, também são empregadas em diferentes fases da exploração e extração do petróleo. Para isso, o geólogo se torna um especialista em uma dessas facetas da geologia.

Quais são os desafios referentes à geologia no que se refere à extração de petróleo na camada pré-sal?

- Os estudos geológicos e a apurada técnica dos geólogos da Petrobras são os grandes responsáveis pelas recentes descobertas de petróleo em rochas reservatório do pré-sal. Isso significa encontrar uma jazida a milhares de metros abaixo do nível do mar e sob uma espessa camada de sal, que pode atingir dois mil metros de espessura. Quando a extração do petróleo se inicia, o geólogo já não atua de modo tão intenso e aí passam a entrar em cena mais incisivamente os engenheiros de produção.
No caso do petróleo do pré-sal, os grandes desafios estão mais ligados à perfuração em si e à produção desse petróleo devido à grande profundidade em que se encontram as jazidas. Talvez, um dos desafios, que também já estão sendo vencidos, para a geologia no que se refere a esse petróleo esteja ligado à compreensão do tipo de rocha reservatório. Nos últimos anos, quase 90% do petróleo produzido no Brasil referem-se às rochas reservatório siliciclásticas (não calcários) turbidíticas. Agora, no pré-sal, os reservatórios são calcários microbiálicos. Compreender com detalhes essas rochas é o desafio do momento para os geólogos exploracionistas.

No que tange especificamente à geologia, quais tecnologias são empregadas para viabilizar a exploração do petróleo?

- A geologia é uma ciência que usa de modernas tecnologias para explorar os recursos minerais e energéticos das rochas. No caso do petróleo, entre outras tecnologias, são usadas as de sensoriamento remoto, métodos sísmicos de reflexão profunda e em 3D, geoquímica orgânica e inorgânica, micropaleontologia, sedimentologia, geologia estrutural, petrofísica, petrografia através de lâminas delgadas de rochas, bem como softwares computacionais sofisticados. Além disso, são desenvolvidas outras tecnologias nos laboratórios do Centro de Pesquisa da Petrobras (CENPES) e em diversas universidades de todo o País que, de alguns anos para cá, passaram a fazer parte de uma grande rede de estudos integrados, criada e financiada pela Petrobras.