domingo, 11 de agosto de 2013

Tafonomia de vertebrados - Intemperismo


Os ossos, quando expostos, se decompõem e sua destruição faz parte do ciclo natural de reciclagem de nutrientes pelo solo. A chance de um osso virar um fóssil depende da intensidade dos processos destrutivos e da sorte de ser soterrado antes da completa destruição. O conjunto de processos físico-químicos pelos quais os ossos expostos passam quando estão na superfície chama-se intemperismo.
Poucos são os trabalhos sobre intemperismo nos ossos, sendo esta uma das características tafonômicas menos observadas quando se analisam assembléias fósseis. Um trabalho clássico é o de Behrensmeyer (1978), que propôs os seguintes estágios de intemperismo:

estágio 0:

A superfície do osso não apresenta sinais de rachaduras nem de lascas. Geralmente os ossos estão frescos, com restos de tecidos moles nas cavidades e pele ou restos de ligamentos e músculos recobrindo a superfície do osso;

estágio 1:

Ossos começam a apresentar rachaduras. Gordura, pele e outros tecidos podem não estar presentes;

estágio 2:

As camadas mais superficiais dos ossos começam a soltar lascas, associadas a rachaduras; pequenas lascas de ossos podem se soltar. Lascas mais profundas começam a se formar até a parte mais superficial dos ossos estar toda rachada. Pequenos pedaços remanescentes de ligamentos, cartilagem e pele podem estar presentes;

estágio 3:

A superfície óssea é caracterizada por pedaços ásperos de osso compacto, resultando numa superfície fibrosa; nestes fragmentos todas as camadas externas e concêntricas de osso foram removidas e, gradualmente, toda a superfície do osso assume esta característica. O intemperismo não ultrapassa os primeiros 1-1,5 mm da superfície do osso e as fibras ósseas ainda se encontram firmemente ligadas umas as outras. Tecidos moles são raros neste estágio.

estágio 4:

A superfície do osso se apresenta com uma textura fibrosa, ocorrem grandes e pequenas lascas que podem se soltar quando o osso é movido e até as cavidades mais internas já se encontram intemperizadas.

estágio 5:

O osso está se desintegrando no lugar, com grandes lascas se soltando e sendo facilmente quebrado quando movido. A forma original do osso pode ser difícil de identificar.
Ossos em diferentes estágios de intemperismo, de acordo com Behrensmeyer (1978). Em (A), ísquio (osso do quadril) em estágio 1; em (B) vértebras em estágio 2 e (C) fragmento de osso longo em estágio 4.
Behrensmeyer (1978) afirma que o intemperismo atua mais na parte exposta do osso do que na parte em contato com o solo. Portanto, encontrar um osso com dois estágios de intemperismo não é algo tão incomum, mas a principal conclusão desta autora é que ossos encontrados nos estágios 0 a 3 ficaram, no máximo, 10 anos expostos, enquanto os ossos encontrados nos estágios 3 a 5 ficaram até 15 anos expostos. Isso levou a conclusão de que a duração de um osso exposto na superfície é de, no máximo, 20 anos.