sábado, 4 de maio de 2013

Europa e Rússia vão lançar missão para trazer amostras do solo de Marte


A Agência Espacial Europeia (ESA) e a Roskosmos (agência russa) assinaram um acordo nesta quinta (14) para trazer amostras do solo marciano que, espera-se, possam responder à questão sobre vida fora da Terra.
A Europa havia esperado trabalhar com a Nasa na missão com duas espaçonaves mas acabou recorrendo aos russos depois que os EUA saíram da cooperação por problemas orçamentários.
O anúncio é feito em meio à empolgação causada pelo anúncio da Nasa sobre uma análise de rocha realizada pelo jipe Curiosity, pousado em Marte, mostrando que o planeta já foi habitável.
A agência americana quer mandar um segundo jipe em 2020 e trazer amostrar para estudo, mas os russos e os europeus querem lançar sondas em 2016 e 2018 --formando uma corrida espacial pós-Guerra Fria por um dos maiores feitos científicos até hoje.
"Estabelecer se houve vida em Marte é uma das questões científicas do nosso tempo e é prioridade para o programa ExoMars", afirmou, em nota, a Agência Espacial Europeia.
Moscou vai entrar com os foguetes para lançar a missão. A Roskosmos também vai desenhar o módulo de pouso e a plataforma em superfície para a segunda metade da viagem.
Apesar de descrever o ExoMars como o "Santo Graal da exploração de Marte", a Nasa deixou o projeto de US$ 1,3 bilhão em 2012, citando problemas de orçamento e mudança de prioridade.
A Europa começou a cooperação com a agência russa em abril do ano passado, mas as negociações se arrastaram por quase um ano.
Essa pode ser uma ótima oportunidade para a agência espacial russa após o fracasso da missão Fobos-Grunt, que coletaria amostras do solo de uma lua marciana. O foguete, lançado em novembro de 2011, teve problemas e não conseguiu sair da órbita da Terra. A sonda caiu no oceano Pacífico no início de 2012.

'Legião estrangeira' compõe equipe dedicada ao jipe pousado em Marte

Fonte: Folha de São Paulo