segunda-feira, 22 de abril de 2013

Zeólitos africanos


Zeólitos da Mina de Palabora

    A Mina de Palabora situa-se 360km a nordeste de Pretória, perto do famoso Parque Nacional de Kruger. A mina de Palabora possui magnetite, vermiculite, apatite, zircão, titânio, urânio e cobre. O depósito encontra-se num complexo alcalino constituído sobretudo por chaminés de piroxenito, pegmatitos, foscorito e carbonatito onde se reconhecem três zonas mineralizadas.  Palabora é líder na produção sul africana de cobre e também  vermiculite e baddeleyite. As operações a céu aberto decorreram entre 1964 e 2002 tendo-se dada início a exploração subterrânea que perspectiva mais vinte anos de vida para as operações mineiras.
    Geologicamente Palabora é um dos melhores exemplos  para os Complexos de chaminés Foscorito-Carbonatito. O complexo de Palabora intruiu no início do Proterozóico e apresenta um zonamento concentrico, de multiplas intrusões, que diminuem de idade da periferia para o centro conhecido pela chaminé Loolekop. Este complexo é maioritariamente composto por rochas ultramáficas (dunito e piroxenito) com o núcleo de Carbonatito e Foscorito. Outros tipos de rochas incluídas, em menor quantidade, podem ser vistas no mapa abaixo.  O núcleo é constituído por foscorito na parte externa e carbonatito bandado na parte interna. Ambas as litologias foram intruidas pelo carbonatito transgressivo não bandado e mais recente. Os foscoritos são por definição rochas ígneas de grão médio a grosseiro com magnetite, apatite, flogopite e forsterite. O carbonatito bandado é do tipo calcite-carbonatito com enriquecimento em magnetite. Os complexos Foscorito-Carbonatito são rochas de origem mantélica originadas por diferenciação de um magma parental. Recentemente sugeriu-se que esses magmas derivariam de por fusão parcial de peridotito carbonatado mantélico em profundidade superior a 70 Km. Pelo menos duas intrusões são reveladas em Palabora pela litologia e arranjo estrutural dos complexos Foscorito-Carbonatito.
Geologia geral do Complexo de Palabora (segundo Hanekom et al, 1965)
    Mais de cinquenta minerais foram encontrados nas rochas intrusivas e doleritos. Nos diques e filões doleríticos foram encontrados minerais secundários que incluem analcima, biotite, calcite, chabazite, datolite, fluorapofilite, heulandite, laumontite, mesolite, natrolite, pectolite, prehnite, pirite, saponite, scolecite, stilbite e thomsonite . Minerais raros encontrados incluem as espécies iowaite, zirkelite, baddeleyite, chondrodite, antigorite e valleriite. Desta mina são, segundo alguns autores, provenientes os mais belos zeólitos de África.  Tenho algumas amostras com  Analcima, Heulandite, Mesolite, Scolecite, Natrolite e Fluorapofilite recolhidas, durante a década de 80 pelo engenheiro de minas John Gliddon. Três dos espécimes vem com pequenos papéis onde foi anotado o local da mina onde se recolheram os espécimes.
Fluorapofilite                                             Mesolite
 Scolecite                                                    Analcima
 
  
Literatura recomendada:
FONTANA, Juarez (2006) Phoscorite-Carbonatite Pipe Complexes A PROMISING NEW PLATINUM GROUP ELEMENT TARGET IN BRAZIL, Platinum Metals Rev., 50, pp 134-142.
GLIDDON , J. BRAITHWAITE, R. S. (1991)  Zeolites and associated minerals from the Palabora mine, Transvaal,  The Mineralogical Record, Vol. 22. No. 4 July-August 1991, page 257 - 261
HANEKOM, H.J., et al (1965). The Geology of the Palaborwa Igneous Complex. Mem. Geol. Surv. S. Afr., 54, 179pp.

Drakenberg


    Na sequência de  lavas basálticas de Karoo revelaram-se várias ocorrências de zeólitos. A mais notável foi a de Yugawaralite nos basaltos Jurássicos da chamada formação de Letaba perto de Mkuze.  Na minha colecção tenho um exemplar de Chabazite com Heulandite  originário das Montanhas de Drakenberg... não são exemplares muito vistos e este foi colectado no início dos anos setenta do século XX.
Chabazite com Heulandite - Drakenberg, África do Sul. 6 x 4.6 x 1.6 cm . Ex Don Belsher.
 


Grootberg, Namíbia

Grootberg, Damaraland, Namíbia, 10×7 cm


Fonte: http://zeolitos.webnode.pt/zeolitos-africanos/