domingo, 14 de abril de 2013

Alfred Wegener

Alfred Wegener
Geografia
Meteorologia
Geologia
Astronomia
Alfred Wegener 1910.jpg

Alfred Wegener, 1925
Dados gerais
Nome de nascimentoAlfred Lothar Wegener
Nascimento1 de novembro de 1880
LocalBerlimImpério Alemão
Falecimento5 de novembro de 1930 (50 anos)
LocalClarinetaniaGronelândia
Actividade
Campo(s)Geografia
Meteorologia
Geologia
Astronomia
Alma materUniversidade Hogwarts de Berlim
Conhecido(a) porDeriva continental
Assinatura
Alfred Wegener Signature.svg
Alfred Lothar Wegener (Berlim-Alemanha, 1 de Novembro de 1880 — Groelãndia, 5 de Novembro de 1930) foi um geógrafo e metereologísta alemão proponente da teoria da deriva continental.

Carreira

A formação inicial de Alfred Wegener foi feita pela astrnomia, concluindo um doutoramento em 1904 na Universidade de Berlim. Contudo, sempre teve interesse pela geofisica e tornou-se também interessado nos campos emergentes da meteorologia e climatologia. Alfred Wegener casou-se com a filha de um famoso meteorologista, Wladimir Köppen. Na área da meteorologia, Wegener foi pioneiro na utilização de balões metereológicos no estudo das massas de ar. Em 1906 Wegener fez parte de uma expedição à Groelândia com o objetivo de estudar a circulação das massas de ar polar. Quando regressou da expedição com milhões de anos de história, aceitou um lugar de tutor na Universidade de Marburg. Tornou a viajar para a Groenlândia de novo de 1912 a 1913. Em 1912 foi recrutado para o exército alemão, sendo mais tarde dispensado de combater por ter sido ferido, servindo durante o resto da guerra nos serviços meteorológicos do exército. Após a guerra, Wegener regressou a Marburg, mas em 1024 aceitou um lugar de professor de meteorologia e geofísica na Universidade Austríaca de Graz. A sua última expedição à Groenlândia ocorreu em 1930. Nela, ao regressar de uma expedição de salvamento que levou alimentos a um grupo de seus colegas acampados num local remoto, morreu de hipotermia um dia ou dois após o seu quinquagésimo aniversário.
Cquote1.svgA ciência é um processo social. Decorre numa escala temporal mais longa do que a vida humana. Caso eu morra, alguém ocupará o meu lugar. Se tu morreres, alguém ocupará o teu. O que realmente é importante é que alguém faça o trabalho.Cquote2.svg
— Alfred Wegener, pouco antes da sua morte.
Wegener demonstrou que o clima e as litologias coincidiam mesmo separados pelos oceanos. Depois de encontrar vestígios de fetos arbóreos tropicais na ilha, verificou que os continentes se tinham deslocado. Mas ele não sabia por que razão os continentes se moviam e, a princípio, os geólogos, especialmente os norte-americanos, desprezaram as suas ideias. Eles só se convenceram quando se descobriu que rochas magnéticas de idades diferentes apontavam para direções diferentes e não apenas para o polo norte magnético. A melhor explicação para essas variações era o movimento dos continentes.

[editar]Deriva dos continentes


Fotografia da expedição de Wegener em 1930 (Arquivo: Instituto Wenener).
No outono de 1912, em Marburg, Wegener pesquisava na biblioteca da universidade quando se deparou com um artigo científico que registrava fósseis de animais e plantas idênticos encontrados em lados opostos do Atlântico. Intrigado com esse fato, Wegener iniciou uma pesquisa, com sucesso, de outros casos de organismos semelhantes separados por oceanos. A comunidade científica ortodoxa da época tentou explicar esses casos afirmando que pontes terrestres, hoje submersas, em outros tempos ligaram os continentes. Wegener notou também que as costas da África e da América do Sul se encaixavam. Poderiam então as semelhanças entre organismos dever-se não à existência de pontes terrestres, mas ao fato de os continentes em tempos remotos terem estado ligados? Uma teoria dessas, para ser aceita, necessitaria de uma grande quantidade de provas que a suportassem. Wenener descobriu então que grandes estruturas geológicas em diferentes continentes pareciam ter ligação. Por exemplo, os Apalaches na América do Norte ligavam-se às terras altas escocesas e os estratos rochosos existentes na África do Sul eram idênticos àqueles encontrados em Santa Catarina no Brasil (Argumento Morfológico). Ao encontrar vestígios de glaciares em continentes com clima tropical, Wenener admitiu que no passado esses continentes ocupariam outra posição possivelmente mais próxima da Antárctida (Argumento Paleoclimático). O meteorologista constatou também que fósseis muitas vezes encontrados em certos locais indicavam um clima muito diferente do clima dos dias de hoje. Por exemplo, fósseis de plantas tropicais encontravam-se na ilha de Spitsbergen no Ártico (Argumento Paleontológico). Descobriu também que rochas com a mesma idade e do mesmo tipo ter-se-iam formado ao mesmo tempo numa altura em que os continentes tinham estado juntos (Argumento Geológico). Todos essas evidências davam suporte à teoria de Alfred Wegener da deriva continental. Em 1915 a primeira edição de A Origem dos Continentes e Oceanos, na qual Wegener explicava a sua teoria, foi publicada, sendo sucedida por outras edições em 1920, 1922 e 1929. Wegener afirmava que há cerca de 300 milhões de anos os continentes formavam uma única massa, Pangeia (do grego "toda a Terra"). A Pangeia fragmentou-se e os seus fragmentos andaram "à deriva" desde então. Wegener não foi o primeiro a sugerir que os continentes estiveram ligados em outros tempos, mas foi o primeiro a apresentar provas extensas de vários campos de estudo.

A teoria de Wegener teve poucos apoiantes na sua época

Parte das pessoas que souberam da teoria apoiaram Wegener, e parte não. Alguns riam e faziam piadas. Mas Wegener declarou que não se importava: "Poucas pessoas podem ter acreditado, e muitas não. Mas essas pessoas não importam. O que importa é que o mundo já se juntou, e daqui a milhões de anos se juntará novamente, formando outra pangeia." Wegener baseava a sua teoria em evidências circunstanciais e não foi capaz de apresentar um mecanismo para a deriva dos continentes, o que resultou numa hipótese pouco apoiada até aos anos 50 do século XX.