quinta-feira, 28 de novembro de 2013

A memória de cristal em cinco dimensões





Em julho de 2013, usando vidro nanoestruturado, os cientistas da Universidade de Southampton, no Reino Unido, pela primeira vez, têm demonstrado em experimentos os processos de gravação de dados digitais em cinco dimensões com escrita por laser em femto-segundos na gravação e recuperação dos dados.

O armazenamento da memória de cristal permite parâmetros sem precedentes, como por exemplo 360 terabytes de capacidade de armazenamento dados num único disco, estabilidade térmica em até 1000 ° C e tempo de vida praticamente ilimitado.A memória de cristal é uma forma incrivelmente avançada de memória. Ela pode armazenar informações digitais em cinco dimensões: as três dimensões do espaço, e duas dimensões extras (polarização e intensidade) facilitada pela rede cristalina. As estatísticas sobre a memória em cinco dimensões são incríveis.

A memória de cristal é tão alucinante, que foi apelidada de cristal de memória do Superman, pois ela imita o dispositivo de memória de vidro sobre-humano que foi usado em muitos dos filmes do herói de quadrinhos para armazenar massas de dados.

Cerca de 360 terabytes de dados podem ser gravados em um único disco de memória de cristal, memória equivalente a cerca de 500 mil dispositivos de armazenamento de CD tradicional, ou 80.000 DVDs.

Os dados na memória de cristal são dispostos em faixas que são separadas por um milionésimo de um metro, e cada bit de dados tem até 256 estados variáveis, que de acordo com Jingyu Zhang, estudante de pós-graduação do Centro de Pesquisa Optoeletrônica da Universidade de Southampton (ORC).

A velocidade de gravação prevista da memória de cristal poderia, eventualmente, chegar a vários Gigabits por segundo, se a modulação magneto-óptico espacial da luz, ou MOSLM, for usada.
Como é feita a memória de cristal

O núcleo é criado a partir de quartzo de sílica fundido praticamente puro, os dados são gravados na superfície do cristal com uma luz laser em femto-segundos, movendo-se a alta velocidade. Um femto-segundo é um milionésimo de um bilionésimo de segundo (veja conversão de prefixos do SI).

O cristal é altamente estável e pode resistir a temperaturas de cerca de 1000 ºC, ou 1832 F (veja conversão de unidades de temperatura), alimentando a especulação de que um desses sistemas de armazenamento de dados pode durar mais do que o fim da civilização.

Organizações que fazem uso de memória altamente especializada e volumosa como por exemplo os museus, provavelmente farão bom uso dessa tecnologia. Os museus têm arquivos extensos de informação que precisam ser armazenados por longos períodos de tempo.

Com as soluções de memória atuais, muitas organizações precisam fazer backup de seus dispositivos a cada cinco anos porque a memória dos discos rígidos atuais tem uma vida útil curta em comparação com a garantia de vida que quase certamente pode ser fornecida com a memória de cristal.

O desenvolvimento desse tipo de memória é primeira vez na história que os cientistas foram capazes de armazenar informações em estruturas cristalinas e em seguida, recuperar essa informação novamente.

"Estamos desenvolvendo uma forma muito estável e segura de memória portátil com o vidro, o que pode ser muito útil para organizações com arquivos grandes. No momento as empresas têm para fazer backup de seus arquivos a cada cinco ou dez anos, porque a memória do disco rígido tem uma vida útil relativamente curta ", diz Zhang.

O último esforço para criar esta forma de tecnologia resultou em um pedaço de vidro que pode armazenar cerca de 50 GB de dados.

A nova memória de cristal pode armazenar mais de sete vezes esse valor, demonstrando exatamente a rapidez com que o mundo da tecnologia e a memória dos computadores está se desenvolvendo.

Ciências e Tecnologia - 24/09/2013 - Escrito por George