segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Estudo revela que amostra de solo marciano contém 2% de água

Amostras do solo do 'planeta vermelho' foram colhidas por sonda Curiosity.
Descoberta traz esperança para futura exploração humana em Marte.

Da AFP
Este é um mosaico formado pelas imagens adquiridas pelo Curiosity em seu 85º dia em Marte; marcas de escavação mostram local de onde amostras foram retiradas para análise. (Foto:  NASA/JPL-Caltech/Malin Space Science Systems)Este é um mosaico formado pelas imagens adquiridas pelo Curiosity em seu 85º dia em Marte; marcas de escavação mostram local de onde amostras foram retiradas para análise. (Foto: NASA/JPL-Caltech/Malin Space Science Systems)

A primeira amostra de solo marciano analisada pela sonda Curiosity, da Nasa, continha cerca de 2% de água, trazendo a esperança de um dia hidratar os humanos que vierem a explorar o planeta vermelho, informaram cientistas nesta quinta-feira (26).
"Vemos Marte como um deserto muito seco e embora não se encontre tanta água quanto no solo da Terra, é substancial", afirmou Laurie Leshin, principal autora do estudo publicado na revista científica "Science".
Em 0,03 metro cúbico de solo marciano, um bloco com largura, profundidade e altura proporcional a um pé, "talvez você possa tirar dali uns dois 'pints' (cada 'pint' corresponde a 0,47 litro)", acrescentou Leshin, que é decana de Ciência do Instituto Politécnico Rensselaer.
Nenhuma agência espacial tem planos para enviar pessoas a Marte em curto prazo, mas os Estados Unidos dizem ter esperança de mandar os primeiros humanos ao planeta vermelho por volta de 2030.
Indícios de água no vizinho empoeirado e seco da Terra não são novidade.
Sondas e orbitadores já tinham descoberto anteriormente evidências que Marte provavelmente tinha água, seja na forma de gelo, de reservatórios subterrâneos ou, inclusive, água potável, talvez bilhões de anos atrás.
Mas as evidências mais recentes vieram de dez dos equipamentos mais avançados já enviados para investigar a superfície marciana a bordo da sonda Curiosity, que pousou ali em 2012.
As descobertas, descritas em cinco diferentes artigos publicados na "Science", incluem a análise de uma amostra de pó, terra e solo finamente granulado de uma parte da Cratera Gale, conhecida como Rocknest (berço rochoso).
Leshin disse que a amostra analisada pela sonda Curiosity provavelmente representa o que se poderia encontrar em outras regiões de Marte, uma vez que o planeta é coberto com uma fina camada de solo superficial.
'Agora sabemos que deve ter havido água em abundância e facilmente acessível em Marte', disse Leshin.